quarta-feira, 20 de julho de 2011

MINHA PRINCESA



Para que conste, aqui fica um pequeno registo fotográfico da minha princesa linda.



Quanto a novidades e afins, ficam para depois quando houver mais um tempinho ;)



Bjs gds.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Nasceu

Como o prometido é devido, aqui estou eu para dar-vos, muito rapidamente, conta das últimas novidades:
-a minha princesa nasceu no dia 23 de Junho, pelas 13:27, de cesariana, com 3,750 kgs...é lindaaaaaaaaa, mas depois dou-vos conta dos pormenores assim que me seja possível, pois neste momento, é só para dar-lhe colo, mamas, e mais mamas.
Beijos e até já. :))))

sábado, 18 de junho de 2011

Novidades



Queridos amigos bloguistas:



é oficial: A minha princesa está quase a nascer e será de cesariana, as circunstâncias assim o ditaram, será na 2ª feira, se Deus quiser, e apesar de já haver as cesarianas marcadas para o dia, o meu GO quer mesmo que se realize nesse dia...mais novidades, agora, só quando ela nascer e estivermos ambas bem.



Torçam por mim e por ela...beijinhos grandes para todos e até já;)

terça-feira, 7 de junho de 2011

37 Semanas

Pois é, 37 semaninhas e farta, farta, farta...e cansada, sobretudo.
Fiz hoje a última eco (supostamente) e a minha princesa está pronta para nascer...só falta mesmo as verdadeiras contações, com o tempinho certo. Ela está enooooorme, quero dizer, pesadita, está com 3,400kgs... imaginem que chega às 40 semanas, que vai ser de mim???
Agora a sério, o médico, diz que provavelmente está próximo o seu nascimento...o colo do útero está molinho, e ao mínimo sinal lá vou eu :)))não vejo a hora de tê-la em meus braços.
Para piorar a situação estou com diástese púbica, que para quem não sabe, é tipo um "descolamento" dos ossinhos púbicos, e dói como tudo, a virar-me na cama, a andar, a estar de pé, a estar sentada. O médico diz, inclusive, que com o parto irá piorar. Não sei ainda se será cesariana, para a semana já vos digo alguma coisa.
Beijinhos e até já:)

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Coisas que eu nunca contei-3ª parte

Para terminar esta trilogia, vou tentar resumir o resto.
Após vários acontecimentos, e de ter visto tanta gente a entrar e a sair daquela sala, e após vários dias de internamento, deram-me alta no dia 23 de Dezembro (de 2007) com a condição de voltar no dia 28 para fazer mais exames e análises e também para regressar a qualquer sinal ou sintoma. Acontece que no dia 26, por sinal, dia dos meus anos, comecei a sentir dores à noite. Tomei um antipirético e acabei por adormecer.
No outro dia, e já sem o efeito de medicação voltaram-me as dores, mas desta vez com muito mais intensidade, que ao longo do dia foram piorando, mesmo com recurso a analgésicos e antipiréticos. Telefonei ao marido, esperei que chegasse para deixarmos o filhote na casa da minha mãe e rumamos para o hospital com a maior urgência. As dores tinham-se tornado insuportáveis, praticamente não encontrava posição para ir no carro e só me apetecia gritar, tal eram as dores, horríveis mesmo. Dei entrada no hospital cerca das 20 h e tal, fizeram-me toques, mesmo sabendo e conhecendo o meu processo, mais ecografias, vaginais e outras, e só às 04:30 da manhã, e a após ter desmaiado ter entrado em choque, praticamente em colapso, decidiram levar-me para o bloco. Tive uma hemorragia interna, obviamente que me retiraram um trompa, a direita, e mesmo assim, só me disseram porque no outro dia perguntei o que me tinham feito. Até eu, que sou uma leiga na medicina sabia que só podia estar com uma hemorragia, aliás, era isso que quiseram evitar que acontecesse, mas que devido à demora desta equipa que me atendeu nesse dia, eu ia morrendo, e ia deixando o meu filho sem mãe.
Culpei tudo e todos, e ao fim deste tempo todo, nunca pensei voltar a engravidar, uma vez que estive a tentar perto de 2 anos e nada.
Este era o momento, mas eu não sabia e não estava nada à espera...confesso que não...agora estou feliz, mas na altura custou-me aceitar, foi uma mistura de medo e outras coisas, mas tenho a certeza que não serei má mãe por isso. Agora só peço a Deus e a Nossa Senhora que me ajude no resto desta caminhada e que faça tudo correr bem, e que a minh filha nasça com muita saúde, e que me dê mais uma razão para viver.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Coisas que eu nunca contei-2ª parte

II PARTE


Olá,

Uma coisa que me esqueci a referir, é que durante os dias em que estive internada, fiquei na sala das angústias, como a apelidei, que é a sala onde são colocadas as mulheres com gravidezes mal sucedidas, uma sala do serviço de obstetrícia, mas no andar na ginecologia.

____________________________________________________________


Bom, ao fim de mais de uma semana, eu já estava a dar em doida, sem poder falar com o meu filhote, que na altura estava com 3 anitos. Ele não me queria falar ao telefone, e segundo o papá, andava muito triste, e quando falava em mim, enchiam-se-lhe logo os olhos de lágrimas. Era ele a chorar em casa e eu no hospital, e por vários motivos. Tadinho do meu tesouro, que não percebia nada do que se estava a passar.

Pedi ao médico para vir a casa, e expliquei-lhe que precisava estar com o meu filho, porque levá-lo lá estava fora de questão, pedi-lhe para estar com ele nem que fosse só uma noite, ele mostrou-se muito reticente, disse-me que era um risco muito grande, mas depois de muita insistência lá me deixou vir, mas com a assinatura de um termo de responsabilidade.

Assinei sem pestanejar e pedi ao maridinho para me ir buscar o mais rápido possível, precisava sair dali a voar.

Quando chegamos a casa, pedimos à minha mãe que mandasse o nosso tesouro, pois nessa altura eram as férias de Natal e ele tinha que lá ficar. Voçês nem imaginam a alegria dele quando me viu, e a minha quando o abracei... disse-me que pensava que eu o tinha abandonado (engoli em seco e abracei-o tanto, mas tanto...)

Infelizmente tive que voltar novamente ao hospital no dia seguinte para fazer mais análises, e obviamente que acabei de novo por ser internada, porque o "beta" continuava alto...o desespero começava a tomar conta de mim.

O mais cómico nisto tudo é que ninguém me dizia nada se eu não perguntasse, mais um catéter na mão, mesmo porque nos braços já quase não tinha veias capazes, e a mão começava a ficar negra de tantas picadas, que parecia que ia rebentar.

Mais uma dose de Metrotrexato, e para quem não sabe, esta é uma substância utilizada na quimioterapia, portanto, vejam lá a força de medicação a que estive submetida...a minha barriga, apesar de ser uma gravidez de pouco tempo estava inchadíssima, parecia que estava grávida de 6 meses, e era apenas de 2 meses e meio.


(CONTINUA)

terça-feira, 17 de maio de 2011

Coisas que eu nunca contei

PARTE I

Estava-se no ano de 2007.

Após 3 anos de muita negação, depois de muito sofrimento no parto do meu Rodrigo, eis que decidi que tinha chegado a hora de ser mamã novamente.

Engravidei novamente, mas a minha alegria pouco durou, nem tinha tido oportunidade de falar com o meu obstetra, pois tinha ido para um congresso na semana anterior e só voltava daí a duas semanas. Tinha decidido esperar.

Mas entretanto comecei a notar nas minhas cuecas um corrimento acastanhado e algum mal-estar, pelo sim, pelo não, decidi ir ao hospital. Exames e mais exames, uma angústia a apoderar-se de mim cada vez a maior velocidade, via na cara dos médicos que algo não estava bem. Decidiram internar-me para fazer mais exames, mas sem me dizerem nada em concreto, só me diziam que provavelmente o feto estava morto. Depois de muitas lágrimas, mas ainda alguma esperança, veio ter comigo uma médica jovem, e por sinal grávida, confirmar o que eu já adivinhara. Realmente eu estivera grávida, mas a gravidez não era viável, pois estava na trompa, era uma gravidez ectópica, e tinha de ser "contrariada" o mais rápido possível.

Mais análises, mais exames e uma 1ª dose de Metrotrexato que visava expulsar do meu organismo a placenta que se tinha formado na trompa. Acabei por ficar internada 18 dias, pois os exames de HBCG continuavam com valores altos, ou seja, continuava grávida, e não me queriam deixar vir a casa, porque podia haver rebentamento de trompa e eu corria risco de vida.


(CONTINUA)